“Acredito nos professores” – José Pacheco

José Pacheco é educador, pedagogo, mestre em Educação da Criança pela Universidade do Porto e defende uma escola sem classes, turmas ou séries. Nascido na cidade do Porto, em Portugal, o professor deixa extremamente clara sua opinião em relação ao sistema tradicional de ensino e questiona: “Que rigor e que exigência existem num modelo educacional no qual alunos do século XXI são ensinados por professores do século XX, que recorrem a práticas oriundas do século XIX?”.

Juntando suas ideias com a força de vontade de ensinar, José fundou a Escola da Ponte, onde o aluno tem direito a ser aquilo que é, explorando seus talentos, qualidades, acreditando no potencial dos alunos. Quarenta anos após a fundação, a escola tem nota máxima na avaliação externa do Ministério da Educação e os alunos são avaliados à medida que aprendem, servindo de inspiração para diversas escolas de Portugal. Embora seja um trabalho demorado, tornou-se satisfatório para José Pacheco:

“A Ponte provou a possibilidade de uma escola onde todos aprendam e sejam felizes. Operou uma rutura total com o velho e obsoleto modelo educacional, que ainda prospera na maioria das escolas. Garante o direito à educação, que a maioria das escolas recusa. E numa escola da rede pública!”.

Mais a frente, quando questionado sobre o sistema de ensino Brasileiro, José acrescenta: 

As mudanças deverão partir, simultaneamente, das escolas e do poder público. E são precisos muitos anos para que se consolidem. Nos últimos anos, apesar da profusão de tentativas de reforma, programas, projetos, congressos, cursos e afins, não se logrou melhorar a qualidade da educação nacional. Mas Portugal tem tudo aquilo que precisa. E esse desiderato será alcançado quando as escolas deixarem de estar cativas de um modelo educacional obsoleto e de uma gestão burocratizada, na qual os critérios de natureza administrativa se sobrepõem a critérios de natureza pedagógica.”

E diz mais sobre os educadores brasileiros:

“Acredito nos professores. E encontrei no Brasil, como havia encontrado em Portugal, muitos professores que possuem os dois requisitos básicos da profissão: competência e ética. Acompanho os seus projetos e com eles aprendo. Isso basta-me. É preciso apenas que haja gente, educadores conscientes da necessidade e possibilidade de mudança, que se constituam numa equipa de projeto. Que saibam escutar sonhos e necessidades da comunidade em que estejam inseridos. E que ajam em função da lei e da ciência”. 

 

Entrevista realizada por Sara Dias Oliveira e publicada no site Notícias Magazine. Para ler na íntegra a entrevista completa Clique Aqui. 


BRUNO ASSIS FONSECA
Formado em design gráfico, é autor/ ilustrador de livros infantis e trabalha com comunicação voltada para o ensino. Adora dar oficinas de artes para crianças e adolescentes mas o seu tempo mais precioso é dedicado à sua filha Aurora.
Linkedin  |  Instagram 

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *