Os Ideais que Permeiam a Vida de um Educador

As nossas escolhas são geralmente duvidosas, pois os obstáculos às vezes nos confundem tornando-nos pensativos.

Isto acontece durante o processo de desenvolvimento, e o mais preocupante, é com a escolha de uma profissão consciente. É o caminho a seguir, um   futuro, enfim, o direcionamento da nossa vida. Algo preocupante, decisão séria, que num primeiro momento, não podemos falhar.

Nós, que optamos pelo magistério temos a obrigação de investir fortemente na educação dos nossos   jovens incentivando-os a serem cumpridores das suas obrigações, a serem íntegros no cumprimento das suas tarefas, utilizamos metodologias de ensino que lhes deem autonomia para transformar a educação do nosso país.

Buscamos a teoria através de tantos líderes, muitos já se foram e nos deixaram um legado de experiências sábias, que serão lembradas a cada semestre, mas continuamos almejando que essas mudanças de posturas sejam absorvidas através do seu comportamento, das suas ações e que lhes sirvam de base para resgatar valores adormecidos.

O que é ser professor numa contemporaneidade? Como administrar carga horária, responsabilidades pela formação de tantos estudantes que buscam avidamente por uma qualificação no mercado de trabalho? Temos de um lado a formação humana tão importante para que os valores essenciais não se percam, temos a evolução tecnológica igualmente importante contribuindo para que a ciência se torne mais eficaz, o trabalho mais produtivo aguçando a curiosidade dos nossos jovens.

Quero crer, que as ações pedagógicas desenvolvidas no ambiente escolar marcarão uma trajetória, mas, o que ficará na lembrança será por aquele que deixar um legado de autonomia e independência, para que administrem os seus conflitos enriquecendo a sua sabedoria e curiosidade.

Tudo vai se aprimorando buscando um maior equilíbrio, para que outros hábitos sejam adquiridos e a valorização do ser humano possa ser igualmente reconhecida e aprimorada.

O professor que insistir no seu papel de fonte e transmissor de conhecimento está fadado a ser dispensado pelos alunos, pela escola e pela sociedade em geral. O novo papel do professor será o de gerenciar, de facilitar o processo de aprendizagem e, naturalmente, de interagir com o aluno na produção e na crítica de novos conhecimentos, e isso é essencialmente o que justifica a pesquisa. (Ubiratan Ambrósio, 2012).

A paciência é uma virtude, pois temos que absorver, aceitar e torcer para que nossos ideais não se dispersem e sejam apagados, que possamos contribuir com os valores que enaltecem o ser humano, e, principalmente deixar depoimentos que elevem à vida do educador, que um dia poderá em nosso país ser mais reconhecido e lembrado.

Por vezes sentimos que aquilo que fazemos não é senão uma gota de água no mar. Mas o mar seria menor se lhe faltasse uma gota. Madre Teresa de Calcutá.

Temos a obrigação de nos espelhar com essas palavras e transformar os nossos momentos reflexivos em ações, que certamente contribuirão para que o ideal que nos move continue com a chama acesa e a certeza que estamos fazendo o melhor.

Fui motivada a escrever esse texto como um sinal de agradecimento pelo reencontro de alguns jovens alunos, hoje adultos, com suas famílias formadas resgatando algo tão precioso: as lembranças que se tornaram permanentes.  Alguns, às vezes esqueceram que um dia, longínquo tiveram alguém que os acompanhou, mas para outros reverem o passado, é sinônimo de vida, de história e de herança cultural.

Em um vídeo falei da importância que é ser pedagogo. Somos formadores de tantos profissionais, que hoje espalhados pelo Brasil e fora dele, nos deram o privilégio de interagir em uma fase da sua vida.

Eu, particularmente participo de um grupo onde foram meus alunos no infantil e fundamental, e que me dão o privilégio, hoje, de poder acompanhar a sua trajetória. É muito bom ver que o tempo segue o seu percurso, mas a semente que plantamos germinou, e certamente, com a contribuição da família e de outros mestres, o objetivo foi alcançado, e a educação mais uma vez cumpriu com os seus desígnios.

Será que hoje os nossos alunos se orgulharão dos seus professores pela incansável luta em fazer com que o conhecimento seja tão importante como o ar que respiram?

Somente o tempo nos dirá, e quiçá sejamos lembrados com ternura das cobranças feitas, das palavras desafiadoras e da prova final que o fez refletir que educação é compromisso sério, e que o vento soprará a favor de quem um dia teve a oportunidade de ter sido desafiado.

Texto de autoria da Prof.ª. Marlluce Gozi Stein – Instituto Superior ISEAT  

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *